Como Ler a Sorte pelas Cartas

Como Ler a Sorte pelas Cartas

Disponível: Sem estoque

Autor: Nerys Dee

Livro Usado

Conhecer o futuro e a sorte por meio dos naipes ajuda o leitor a jogar as cartas certas em relação ao próprio jogo da vida e dá-lhe melhores condições de vencer cada rodada.
saiba mais
Descrição

Detalhes

A cartomancia, ou adivinhação por meio das cartas do baralho, é tão velha quanto Matusalém. As civilizações antigas, em todo o mundo, consultavam-nas à procura de respostas a seus problemas, e até a Idade Média elas eram aceitas como oráculos de sabedoria tanto pelo Estado quanto pela Igreja.

Por volta do século XVII, as cartas de jogar tinham adquirido ainda maior popularidade, mas de um modo bem diferente. Consideradas como um meio rápido e fácil de ganhar dinheiro, para não dizer de perdê-lo, elas se tornaram o deleite dos jogadores, mas, em consequência, seu verdadeiro objetivo, o da predição, acabou sendo relegado a segundo plano. Foi esse novo papel, o de componente principal de jogos de azar, que levou os vitorianos a colocá-las em pé de igualdade com a embriaguez, a licenciosidade e o sexo, proibindo-as e condenando-as como pecado. Isso conferiu-lhes uma duradoura imagem negativa, que, até certo ponto, persiste até hoje. Mesmo assim, sua tradição esotérica não se perdeu, pois, durante esses anos, foi alimentada por místicos solitários e pelos ciganos, conhecidos pelo hábito de ler a sorte com o baralho.

Infelizmente, quando estavam prestes a se romper os grilhões de uma sociedade ignorante, no início deste século, surgiu um adversário ainda mais ferrenho, sob a forma da ciência. Esta, baseada na lógica, fez saber que não havia nenhuma ligação entre cartas de baralho e eventos passados, sem falar em associações com o futuro.

Felizmente, experiências individuais e resultados computadorizados de seleções aleatórias de cartas provam, sem sombra de dúvida, que a ciência nem de longe tem todos os trunfos. Essas provas têm também o apoio de um trabalho de C. G. Jung que mostra a existência de uma clara relação psíquica entre o homem e seu ambiente. Esse elo invisível é o responsável por todas aquelas coincidências fascinantes que amiúde ocorrem em nossa vida. Jung chamou a esses fenómenos 'sincronicidade', e foi essa descoberta que o levou a investigar o mistério e a sabedoria subjacentes não apenas às cartas, mas a todas as formas de adivinhação, desde o I ching às folhas de chá.

Hoje, as cartas voltam a ocupar o seu legítimo lugar na sociedade. Com um pouco de prática, toda pessoa pode receber e compreender suas mensagens simbólicas, que revelam dons pessoais ocultos e dão indicações futuras no que diz respeito ao plano sentimental, situações financeiras e, também, armadilhas que devem ser evitadas. Não há, na verdade, razão para temer o que as cartas poderiam revelar, uma vez que são bênçãos disfarçadas. Lembre-se de que um homem prevenido vale por dois. Conhecer o futuro e a sorte por meio dos naipes ajuda o leitor a 'jogar as cartas certas' em relação ao próprio jogo da vida e dá-lhe melhores condições de vencer cada 'rodada'.
Comentários
Sumário
Introdução       7
1  A origem das cartas de jogo      9
2  A história das cartas     12
3  A tradição das cartas    17
4  A adivinhação e as cartas    24
5  Como consultar as cartas    26
6  Como escolher uma figura    30
7  Como escolher uma sequência    34
8  A cruz mística    36
9  A ferradura do destino    42
10  A pirâmide     46
11  O método cigano    50
12  O quadrado mágico    55
13  O círculo celestial     64
14  O desejo mais íntimo    69
15  Os quatro naipes    70
16  O baralho    75
17  Ouros    78
18  Paus     99
19  Copas   120
20  Espadas   141
21  O curinga    163
Informações Adicionais
Livro Usado. Texto, gravuras e fotografias íntegros. Capa Dura.

Formato 20 x 12,5 cm

Editora Círculo do Livro

164 páginas