Astrologia e Fatalismo. Magnetismo e Hipnose

Astrologia e Fatalismo. Magnetismo e Hipnose

Disponível: Sem estoque

Autor: Guy Marais

Livro Usado

Neste livro o autor desvenda mistérios sobre o ocultismo e sobre certos mistérios que nos cercam. Também indicam experiências práticas que permitem a cada um dar-se conta das estranhas faculdades do nosso psiquismo.
saiba mais
Descrição

Detalhes

A estreita correspondência entre o microcosmo e o macrocosmo — entre o homem e o universo — é uma constante de todos os textos dos inúmeros autores que se têm ocupado das chamadas 'ciências ocultas', desde os clássicos até os modernos. A hipótese de que os astros condicionem, ou de alguma forma dirijam, os destinos humanos, tem incontáveis adeptos — mesmo sem incluir os pseudoama-dores que, em revistas ou na imprensa diária, 'fabricam' os horóscopos sobre os quais se debruçam, atenta e ingenuamente, muitas pessoas.

Alguns especialistas destes assuntos afirmam que a astrologia (que os rígidos dicionaristas definem como 'pretensa arte de adivinhação pelos astros') evoluiu e se transformou na astronomia (ciência que se ocupa da constituição e movimentos dos astros), assim como a alquimia (arte quimérica que procurava as transmutações dos metais e a pedra filosofal) se transformou, por evolução, na química (ciência experimental e exata).

Embora consideremos defensável esta opinião, permitimo-nos discordar dela na medida em que implicitamente afirma que as duas ciências substituíram as duas artes. Há, sem dúvida, afinidades entre umas e outras, mas nos parecem distintas... E coexistentes.

Quanto à alquimia, mesmo sem ter em conta vários testemunhos de que a 'pretensa arte' chegou a resultados positivos (sobretudo o claro testemunho de nicolau flamel, escrivão da universidade de paris), não nos cabe condenar sem análise o esboço de teoria de georges ranque, um homem cuja alta categoria como cientista não pode ser negada.

Quanto à astrologia, há pelo menos uma ampla série de fatos verificados que, conquanto não possam talvez ser considerados provas, constituem, sem dúvida, uma forte probabilidade.

De qualquer modo, e do nosso ponto de vista, a astrologia é uma das mais antigas e mais flagrantes características da ansiedade humana, que pretende, por todos os meios, sondar o passado e o futuro, proporcionar esperanças e propiciar os fados.

Assim, neste último trabalho da curta série em que procuramos compilar e coordenar elementos de estudo sobre essa tendência predominante da humanidade, a documentação é abundante e variada, mas cumpre-nos citar em especial os autores em cujas obras mais particularmente nos baseamos, desde tão te king, tchuang tseu, o bhagavad-gita, passando por nostradamus e chegando a elli-ce howe, jean-charles pichon, hades e jean sendy.

É, portanto, com esta ilustre companhia que vamos iniciar mais uma jornada no caminho que traçamos e em que o benévolo e preclaro leitor (assim o esperamos) nos terá seguido com a sua tolerante curiosidade.
Comentários
Sumário
Introdução 1

Primeira parte astrologia e fatalismo
1. Os signos e seus símbolos  11
2. Plutão, o senhor da morte  37
3. O reino do dinheiro 59
4. Os astros e a psicanálise  71
5. Os ciclos e as grandes mutações  85
6. O simbolismo oriental 107
7. Os dilemas das grandes potências 115
8. As fronteiras do homem  139
9. Nostradamus e as tradições  171
1. 0 uma mensagem de esperança 203

Segunda parte magnetismo e hipnose
1. O estranho fenómeno do magnetismo humano 211
2. Apráticadomagnetismoedohipnotismo 219
3. O curandeiro brasileiro que assombrou os médicos americanos 249
4. As experiências de transmissão de pensamento do século xx  253
5. Como influenciar alguém a distância 259
6. O estranho poder de uri geller 271

Conclusão 281
Informações Adicionais
Livro Usado. Textos e gravuras em perfeito estado.

Formato 21 x 14 cm

Editora Fase, 1ª Edição, 1983

286 páginas