A Doutrina Secreta - Vol. 4

A Doutrina Secreta - Vol. 4

Disponível: Em estoque

Autor: H.P. Blavatsky
R$47,00
Icone Calcular Frete Loading
PrazoValor
Volume IV - O Simbolismo Arcaico das Religiões do Mundo e da Ciência
saiba mais
Descrição

Detalhes

Primeira edição completa, em português, da monumental obra de H.P.Blavatsky, cuja edição original em inglês foi lançada simultaneamente em Londres e Nova Iorque no ano de 1888.

Escrito há mais de um século, esta obra continua atual. No entender da autora, a teosofia é a sabedoria divina, eterna, que, periodicamente é reapresentada aos homens, adaptada à época e às condições espaciais.

Por isso mesmo, esta obra é matéria bruta, erupção vulcânica que queima e destrói sem piedade os mitos. Há, em suas páginas, uma visão nova da História, da origem do homem e do universo, da pluralidade dos mundos e dos estados de consciência, das novas formas de energia. A obra toda foi dividida em seis volumes para tornar possível a um maior número de leitores o acesso à sabedoria de seu conteudo que tem por objetivo demonstrar que a Natureza não é uma aglomeração fortuita de àtomos; assinar ao homem o lugar que por direito lhe compete no Universo e evitar que sejam desvirtuadas as verdades arcaicas que constituem a base de todas as religiões. Neste volume a autora aborda as doutrinas esotéricas corroboradas em todas as Escrituras e da comparação entre a Doutrina Secreta e a Ciência.
Comentários
Sumário
PARTE II O SIMBOLISMO ARCAICO DAS RELIGIÕES DO MUNDO

Seção I — Doutrinas Esotéricas corroboradas em todas as Escrituras                  15
O Rig Veda é a chave da Sabedoria Ariana — O Rig Veda foi compilado por Iniciados — A Teologia e o Materialismo desfiguram todo o conceito filosófico arcaico.

Seção II — Adão-Adami          19
Adão-Adami é um nome genérico da Primeira Raça Falante — Os Nabateus eram Caldeus Adoradores das Estrelas — A Nabathean Agriculture repete os Ensinamentos da Doutrina Secreta — Nebo, o Deus da Sabedoria e um Criador — Os Cabalistas ensinam a existência de quatro Adãos diferentes — Hieróglifos egípcios para as Cinco Raças.

Seção 111 — O 'Santo dos Santos'. Sua degradação                  26
Os muitos significados do Adytum ou Sanctum Sanctorum — O significado místico da Arca — A 'Dança do Círculo' ao redor da Arca — A Câmara do Rei na Pirâmide de Québps é um 'Sacrário dos Sacrários' egípcio — A Primeira Trindade dos egípcios — Simbolismo cristão da Arca — IOH e a Lua — O Fundamento esotérico do Templo de Salomão — Medidas da 'Câmara do Rei' — O Adão Kadmon Andrógino foi feito à imagem de Deus — Permuta cabalística de palavras — 'Eu Sou o que Sou' — Lingam e Yoni é o mesmo que o 'Santo dos Santos' — Quem são realmente os judeus — O Lingam hindu e o Pilar de Jacob — O significado simbólico de Jehovah — Data dos Textos Eloís-ticos — Significado da palavra Abraxas.

Seção IV — O Mito dos 'Anjos Caídos' em seus vários aspectos           42
A.   O Espírito do Mal: Quem e Que É?                 42
Filosofia do Problema do Mal — A biografia do Diabo cristão — Deus amaldiçoou o Demónio? — O Logos representa dois papéis no Drama da Criação e do
Ser — O Anjo da Face — Fravashi ou Ferouer — Tradução fraudulenta da Bíblia — O Livro de Enoch e o Novo Testamento — Antiga universalidade dos Vedas.                Ç**
B.   Os Deuses de Luz procedem dos Deuses de Trevas                                       50
Efeitos dá Queda Metafórica, da propiciação e da Crucifixão sobre a Humanidade Ocidental — Os Filhos da Eternidade Manvatárica — Todas as Nações tiveram seu Demónio 'Caído' — A Mente Coletiva Universal é finita quando se compara com o Espaço Não-Nascido e Inalterável — Ahriman é a 'Sombra' de Ahura Mazda — Os Elohim 'criam' os Dois Céus, i. é., separam os Planos de Consciência Superior e Inferior — As Sete Legiões e os Adityas — Da Divindade Passiva emana o Poder Ativo — o Mistério chamado Sabedoria, o Filho — O Zohar fala dos 'Caídos' — Esoterismo no Pimandro.
C.   As Muitas Significações da 'Guerra no Céu'                                                   59
Do Sopro Universal Único procedem inumeráveis sopros — Vestígios do destino dos Atlantes em Ezequiel — A última forma dos Titãs Divinos — Diversos nomes dos Iniciados — Manas é duplo, Lunar e Solar — O símbolo da Arvore
—  O significado da Guerra Celeste, no Apocalipse — A Tara e outras guerras — Soma, astronomicamente, é a Lua — A luta entre os 'Filhos de Deus' e os 'Filhos das Trevas' — Os Daityas e Danavas são os Demónios e Gigantes da Bíblia — Os Sarpas, Serpentes, Nagas e Sábios — Um Centro de Estudos no Deserto de Gobi — A origem das religiões exotéricas — O mistério e a santidade da Serpente.

Seção V — É o Pleroma o Covil de Satã?              73
O 'Antigo Dragão' e Satã transformaram-se, em termos teológicos, em 'Anjos Caídos' — O Deus dos israelitas é um Deus de Tribo — A Igreja inventou um Demónio antropomórfico — Jehovah é um Espírito usurpador — Todos os Deuses dos gentios estão relacionados com Jehovah — Os Elohim — Deus é a Luz, Satã é a Sombra — O grande Agente Mágico é Éter ou Lúcifer — Akâsha é a Matriz do Universo — A Alma e o Coração da Grande Mãe — Lúcifer é a Luz Divina e Terrestre — Deus e Satã são idênticos — O Sétimo Mistério da Criação — O Dualismo na Religião Masdeísta — O número 888.

Seção VI — Prometeu, o Titã. Sua origem na índia Antiga.                    87
O Freixo na Mitologia Escandinava e Grega — Os Sete Fogos Celestes — A Primeira produção do Fogo — Capacidade do Crânio, antiga e moderna — O Fogo existia na Terra desde o Princípio — O Titã é a representação da Humanidade, Ativa, Industriosa, Inteligente — O Arani-Fêmea é Aditi, a Substância Primordial — A Matriz ou Mãe dos Deuses — O significado dos Seis Irmãos de Krishna — Entre a Serpente do Éden e o Demónio dos cristãos não há semelhança.

Seção VII — Enoichion-Henoch                        99
O Livro de Enoch é apócrifo? — Os Rolos preciosos de Enoch e os Livros de Sabedoria de Hermes — As Artes, as Ciências, a Teologia antediluvianas foram registradas ideograficamente — Ò Adepto morre para continuar vivendo
— O que é Enoch esotericamente — Símbolos das Grandes Raças — O Dilúvio e a Inclinação do eixo da Terra — O modo de movimentar-se do Globo variou mais de uma vez — O Livro de Enoch é um resumo da História da Terceira, Quarta e Quinta Raças.

Seção VIII — O Simbolismo dos Nomes Misteriosos de Ião e Jehovah, em suas relações com a Cruz e o Círculo      107
O valor dos Nomes de Deus, dos Anjos e dos Patriarcas — A Divindade Oculta representada pela circunferência de um Círculo — A Doutrina Arcaica nos Seis Primeiros Capítulos do Génesis, o rejeitado Livro de Enoch e o mal-tradu-zido de Job — Os judeus são os únicos herdeiros de Jehovah — A Trindade e os Planetas — A 'Luz Sétupla', Cristo e Hermes — A antiguidade da Cruz
—  O Cubo desenvolvido se converte em Tau — A Divindade judaica é um Número — O Mistério da Terceira Criação de Brama.
A.   A Cruz e o Círculo             116
A Tipologia da Cruz — A Cruz se transforma em Símbolo da Procriação Humana — Variações do Símbolo da Cruz — O 'Terceiro Olho' e a 'Cruz Tau'
—  As paixões humanas devem ser crucificadas na Cruz — A Cruz mais primitiva e o Círculo — O Fogo e a Água e o Simbolismo da Cruz e do Círculo — Os Rishis e as Plêiades — As Plêiades são o Ponto Central, ao redor do qual gira o nosso Universo — A Cruz Astronómica e o Globo Alado se transformam no Escaravelho Sagrado dos Egípcios — O Misticismo do Círculo, em Ezequiel
— A Luz Eterna simbolizada por um Círculo — Deus-Manifestado é o Diâmetro do Círculo.
B.   A Queda da Cruz na Matéria            124
O Círculo e o Diâmetro são o primeiro Símbolo na Cosmogonia — A Cruz e o Círculo são um Conceito Universal — A Presença do Princípio Invisível na Natureza — Os quatro braços da Cruz, dobrados nas pontas, formam a Svástika
— O Enigma Hermético da Cruz — Cena de Iniciação nos Mistérios Egípcios — O significado da Crucifixão — A ideia original do Homem Crucificado — A ideação cósmica fundamenta o Símbolo da Cruz — O verdadeiro Pai-Nosso — A Cruz dos  'Chrestoi'.

Seção IX — Os Upanishads na Literatura Gnóstica                  133
'Som', 'Linguagem', 'Vogais' gnósticas e Vozes dos Raios e dos Anjos, no Apocalipse — As Sete Vogais e seus Quarenta e Nove Poderes — As Sete Vogais e suas Sete Raças-Raízes — Quando acabar a Sétima Ronda, terminará o Tempo — O significado do Fogo e da Água nos Mistérios — 'Sopros-Vitais'
— O Fogo é idêntico ao Yo — Conhecendo o 'Nome' — O Ciclo de Ganida — Antiguidade dos Kapilas — Kapila é o nome genérico dos Kumâras.

Seção X — A Cruz e a Década Pitagórica     143
A Década representa a Evolução do Universo desde o Silêncio — A Divisão Setenária é determinada pela Natureza mesma — A língua pré-histórica do Mistério era pictórica e simbólica — O valor dos Números Pares e ímpares — O Quaternário, Símbolo da Imortalidade — O Homem Perfeito é um Quaternário e um Ternário — O significado místico de Makara — Alegorias dos Ava-tares Oannes e Matsya — O aspecto Branco e Preto de Shakti — Os Cinco Sagrados — O significado dos Números Seis a Dez — O Três e o Quatro entre os Antigos — Valor numérico da palavra Nilo — Todos os Dogmas saíram da Raiz da Sabedoria — Os que desenvolveram suas Naturezas Quíntuplas — Antiguidade da Cruz — Os quatro Elementos e a Svástika — Atração dos profundos Mistérios do Passado — O Sábio mantém silêncio a respeito dos Mistérios Universais.

Seção XI — Os Mistérios da Hebdômada   160
A.    Saptaparna   160
O Nome Oculto do Homem — O Número Seis, emblema da Natureza Física é um Signo Sétuplo — O Número Três e o Quatro são Espírito e Matéria — Princípios Humanos e Princípios da Natureza Física — O Homem, primeiro mamífero da Quarta Ronda — A Lua guia o lado Oculto da Natureza Terrestre, ao passo que o Sol é o Regulador da Vida Manifestada — O Setenário no Simbolismo Religioso Antigo — A Tríade Sephirothal origina o Quaternário -Aspectos ou Princípios Humanos e Cósmicos — Noé simboliza tanto o Manu-Raiz como o Manu-Semente.
B.    O Tetraktys em Relação com o Heptágono      167
A consciência em seu todo está composta de Grupos Setenários — Por que a Tétrade é um Número Sagrado — A Tetraktys Inferior é a Raiz da Ilusão -O Quatro unido ao Três é a própria Natureza — O Setenário Sagrado — As Cosmologias antigas baseiam seus Mistérios no Número Dez — Provas de um Evangelho Gnóstico.
C.    O Elemento 'Setenário nos Vedas Corrobora o Ensinamento Oculto referente aos Sete Globos e às Sete Raças     175 
Os Sete Raios do Sol — O Rig Veda corrobora os Ensinamentos Ocultos —
A mesma Doutrina no Vendidad — O Setenário Zoroastriano — As Duas Primeiras Raças não morreram, mas foram absorvidas em sua Progénie — Princípios da Quarta Raça — O Ocultismo limita o número das Raças Primordiais a Sete.
D.    O Setenário nas Obras Exotéricas          181 O Setenário nos Purânas — Os Maruts em seu significado esotérico — Aditi
ou Akâsha no Sétuplo Céu Egípcio — Os Maruts e as Potências Ocultas — O Renascimento contínuo — As Sete Terras no Hinduísmo e outras Escrituras —  Os Quarenta e Nove Manus e as Sete Rondas — Os Cinco Reis caídos.
E.    Os Sete na Astronomia, na Ciência e na Magia        188
A Fénix e o Ciclo de Natos — A Cronologia de Povos Ocidentais importada da índia •— O Sol, a Lua e os Planetas, os Medidores infalíveis do Tempo — O Mistério das Divisões Cíclicas aplicado ao Céu e à Terra, aos Deuses e aos Homens — A Setena na Fisiologia — Cifras caldaicas no Novo Testamento — Os 'Filhos nascidos da Mente' começaram a Divisão da Humanidade em Raças
—  Os Tetragrammaton — O Número Sete na Química — Os Sete Sacerdotes dos Zunis — O Sete é o Grande Número Mágico.
F.    As Sete Almas dos Egiptólogos   199
O Setenário no Egito -- Tábuas Esotéricas hindus e egípcias dos Sete Princípios — Nomes cabalísticos e hieroglíficos dos Princípios Humanos — A Doutrina Secreta sobre a evolução Pré-Humana — Todos os mamíferos provieram do Homem — Doutrina Esotérica Trans e Cis-Himalaica -— Uma alegoria do Anugitâ — Absorção dos Princípios Inferiores pelos Superiores •— A Doutrina Setenária é muito antiga — A necessidade de compreender os Sete Estados da Consciência.

PARTE III Apêndice
CIÊNCIA E DOUTRINA SECRETA COMPARADAS

Seção I — Antropologia Arcaica ou Moderna?                                                         215
Teorias científicas do Génesis — Seleção 'Fisiológica' ou 'Natural' — A Seleção Natural não pode produzir 'Espécies' - Tipos-Raízes Primordiais de Animais procedem do Astral — Os Ensinamentos Esotéricos sobre as Três Primeiras Raças Rumanas Pré-Animais não são uma Ficção — Desacordo Oculto com os Materialistas — Os Ensinamentos Esotéricos se opõem à Teoria Darwinista da Evolução — Que é que dirige as Forças da Evolução? — A Evolução Física e Espiritual reconciliadas.

Seção II — Os Antepassados que a Ciência Oferece à Humanidade                          226
Duas teorias de Evolução comparadas — A Sabedoria Arcaica, sobre cujos alicerces foram construídas todas as outras Religiões — Vários modos de reprodução de uma Forma Primordial comum — A Mônada penetra no Corpo Astral dos Progenitores — Teorias sobre o desenvolvimento da Linguagem Humana — Etapas do desenvolvimento linguístico — O dever da Ciência é observar a origem do Homem — A Lei da Caracterização Permanente — O Homem Pitecóide teórico — Toda a Antiguidade Cria na origem Dhyân-Chohânica do Homem — Necessidade de se admitir a presença da Essência Monádica.
 
Almas Plastidulares e t&ulas Nervosas Conscientes                                            240
Os átomos dos Princípios Inferiores são atraídos por afinidade à mesma Individualidade — A Energia Vital é um Princípio, como Número, ao passo que como Fenómeno é representado pelos Átomos — As Almas-Átomos de Hsckel.

Seção III — As Relíquias Fósseis do Homem e o Símio Antropóide                       245
A.    Fatos Geológicos que se Referem à Relação Entre os Dois                           245
Onde devemos ir buscar o homem primitivo? — Existia o Homem nos primeiros tempos da fipoca Terciária? — Houve uma Criação especial para o Homem? — Não havia Símios Antropóides nos melhores dias da Quarta Raça — A Lemúria foi o berço da Humanidade Física.
B.    Evolucionismo Ocidental: A Anatomia Comparada do Homem e do Antro-póide não Confirma de Modo Algum o Darwinismo                                          250
Órgãos rudimentares no Homem — A Descendência do Homem do Símio seria antinatural — Tipos fundamentais  foram produzidos pelo Homem da Terceira e Quarta Rondas — Os mamíferos são pós-humanos — O desenvolvimento  do Feto Humano compendia a Vida Terrestre da Terceira e Quarta Rondas.
C.    O Darwinismo e a Antiguidade do Homem:  Os Antropóides e Seus Sucessores         255
Incertezas da Ciência acerca da idade do Homem — A genealogia dos Símios —  A Teologia e a Ciência.

Seção IV — Duração dos Períodos Geológicos, os Ciclos de Tlaça e a Antiguidade do Homem    260
A Cronologia judaica requer a computação cabalística, com a Chave — Datas Babilónicas — A Doutrina Oculta dá informação clara sobre a idade da Humanidade — Vaivasvata Manu.
A.    Especulações Científicas  Modernas Acerca  da Idade  do Globo,  da Evolução Animal e do Homem     264
Cifras científicas para a idade geológica do Mundo — O Progresso lento e majestoso da Natureza — Impulsos de Vida Planetários — Pouco se conhece acerca da Raça-Raiz Ária e suas origens.
B.    Sobre as Cadeias de Planetas e sua Pluralidade     
A suficiência de dados nos Livros Secretos — Os Adeptos sabem que quase todos os Mundos Planetários são habitados — Os 'Outros Mundos' bíblicos se referem a outros Globos habitados — São Paulo, um Iniciado, conhecia outros Mundos — Quem eram os Reis de Edom? — A Astronomia fala em favor da vida organizada em outros Planetas - - Uma grande variedade de seres nos diversos Mundos — Por que a Cristandade refutava que outros Globos fossem habitados?
C.    Observações Suplementares Sobre a Cronologia Geológica Esotérica              278
Dados ocultos sobre o tempo transcorrido desde os primeiros depósitos sedimentados — Divergência entre a Ciência Ortodoxa e a Esotérica — O Homem é sempre do mesmo género - - Utensílios Paleolíticos e Nações altamente civilizadas contemporâneas — Como os Germes de Vida vieram à nossa Terra -  Artistas Primitivos — A Doutrina Esotérica sobre a elevação e queda das Civilizações — Conformação da Terra depois  do cataclismo da  Quarta  Raça
— Novas distribuições periódicas da terra e da água — A realidade dos continentes submersos — Faculdades intelectuais e morais superiores desempenham o papel principal no esquema do progresso — Na Natureza nada se perde -Cada novo Manvantara traz consigo a renovação das Formas, Tipos e Espécies.

Seção V — Evolução Orgânica e Centros Criadores                               299
A Filosofia Esot&ica ensina uma Lei Cíclica, uma dupla Corrente de Força e Matéria — As Formas Etéreas dos primeiros Homens se projetam em Sete Zonas — O Processo de Desenvolvimento abrange desde o menos até o mais perfeito — O Ocultismo classifica o corpo humano com a Criação Bruta.
A.    Origem e Evolução dos Mamíferos: a Ciência e a Filogénese Esotérica      302
A Raiz dos Mamíferos Ungulados segundo o Ocultismo — Vários protilos na Natureza correspondem aos diversos planos da Matéria — Fatores intervenientes na origem das espécies animais e vegetais.
B.    As Raças Paleolíticas Europeias: De Onde Vêm e Como Estão Distribuídas 306 Tipos de crânios encontrados na Europa — De onde irradiaram as correntes sucessivas de Homens 'Primitivos'? — O pesadelo do Karma Atlante.

Seção VI — Gigantes, Civilizações e Continentes Submersos Assinalados na História   310
Os gregos eram os poucos e debilitados remanescentes da nação Atlante — O Homem, associado dos Símios e dos Anjos — Semelhança entre a Arquite-tura Ciclópica e a Arquitetura Europeia antiga — Necessidade de uma interpretação oculta da Bíblia — Os Sábados dos Mistérios são sete Pralayas entre Manvantaras ou Rondas — Primitivo termo médio da estatura da Humanidade
—  Antiga Geografia da Europa — O significado das Pedras Druídicas e Círculos e Túmulos de Serpentes — Nas Mitologias os Gigantes representam um papel importante — Quem eram os Druidas? As Sete Terras, segundo o Masdeísmo
—  Os últimos animais e plantas gigantescas.
A. Explicação Esotérica de Algumas Declarações dos Clássicos Sobre Continentes e Ilhas Sagradas     328
Homero fala dos Atlantes em sua Odisseia — Deodoro apresenta fatos a respeito dos Atlantes — Os Sacerdotes egípcios, Platão e os Neoplatônicos tinham conhecimento acerca da Atlântida — A Teologia de Hesíodo é histórica — Os Deuses do Olimpo eram Personificações Septiformes — Os Deuses maiores do Olimpo — A Doutrina Secreta é a Chave Esotérica dos Mistérios das Teogo-nias Cristã e Grega, e das Ciências — O Poder dos Nomes — Alegorias Gregas das Sete Filhas de Atlas ou Atlântida — Quando o Pólo da Terra apontava para o extremo da cauda da Ursa Maior — Ulisses pertence ao Ciclo dos Heróis da Quarta Raça — Latona é geologicamente o Continente Hiperbóreo — o símbolo gráfico das lágrimas de Níobe — A Idade de Bronze e os Gigantes das Primeiras Raças Físicas — A Ilha dos Reis Divinos — O Dilúvio de Noé é Astronómico, t Alegórico — Os Nephilim eram os Homens Paleolíticos e Neolíticos na Palestina — Zeus, a Divindade da Quarta Raça — A Mitologia está baseada na História.

Seção VII — Provas Científicas e Geológicas de vários Continentes Submersos       345
A Geologia corrobora o Ocultismo — A Lei Cíclica explica o desaparecimento das Raças — A Atlântida é necessária para a Etnologia — A Época em que os Deuses abandonaram a Terra — Verdades Esotéricas eram reveladas ao público sob o disfarce de alegorias — Evidências em favor de Continentes anteriores agora submersos — Lemúria foi a morada do Primeiro Tronco Humano Físico — O N.O. da África esteve relacionado com a Atlântida por uma rede de ilhas — Os restos de um continente gigantesco que havia unido outrora a África com a América — Fatos que provam a existência da Atlântida.

Conclusão    360
A Doutrina Secreta já foi uma propriedade comum — A História Esotérica está baseada em Fatos — Cálculos Esotéricos baseados nos chamados Períodos Históricos — A Chave da Sabedoria se oculta no coração da Natureza.

Notas Adicionais   365

Bibliografia          367
Informações Adicionais
Livro NOVO.

Formato 23 x 16 cm

Editora Pensamento, 10ª Edição, 2008

371 páginas