O Livro Completo dos Sonhos

O Livro Completo dos Sonhos

Disponível: Sem estoque

Autor: Mahal Batham
O Sonho tem sido sempre um mistério para a humanidade. Sempre norteou a vida e a morte. Sempre foi motivo de apreensões, duvidas e as vezes de desespero para aqueles que sonham, pois a sabedoria popular sempre afirmou que o sonho representa um aviso.
saiba mais
Descrição

Detalhes

O Sonho tem sido sempre um mistério para a humanidade. Sempre norteou a vida e a morte. Sempre foi motivo de apreensões, duvidas e as vezes de desespero para aqueles que sonham, pois a sabedoria popular sempre afirmou que o sonho representa um aviso.

Após numerosas e rigorosas pesquisas, concluímos que os sonhos, de acordo com a Oniromancia, se dividem em quatro partes, sendo que a maior* parte é originária do sexo, em menor parte do espírito e outra parte no que se refere as divindades.

Porém uma quarta parte dos nossos sonhos se relaciona com as nossas ambições pessoais, como que a retratar uma imagem de auto-suficiência e poderes fantásticos.

Diz a Oniromancia que estes sonhos são válvulas de escape do subconsciente. Tais reações são de origem orgânica ou psíquica, conforme afirma Sigmund Freud.

O sonhador pode muito bem extrair, incoscientemente, }a-tores de grande importância, quando é avisado de que está doente ou que precisa cuidar-se, não só fisicamente como economicamente, pois o sonho na maioria das vezes não passa de uma advertência do subconsciente que aflora durante o sono.

Como exemplo desta afirmação, encontramos na Bíblia o caso de José do Egito que passamos a narrar para aqueles que ainda não conhecem, e que poderá servir de exemplo para todos aqueles que procuram nos sonhos uma explicação, que até hoje ainda é um enigma para a humanidade.

'O Faraó disse a José: Eu sonhei um sonho, e ninguém há que o interprete; mas de ti ouvi dizer que quando ouves um sonho o interpretas. E respondeu José ao Faraó, dizendo: Isso não está em mim; Deus dará resposta de paz ao Faraó'.

A resposta ãe José ao rei revela sua humildade e fé em Deus. Modestamente não se atribuía honra de possuir em si sabedoria superior. 'Isso não está em mim'.

Unicamente Deus poderá explicar este mistério.

O Faraó então se põe a relatar os seus sonhos: 'Estava eu em pé na beira do rio, e eis que subiam do rio sete vacas gordas e pastavam no prado. E eis que outras sete vacas subiam, muito feias e magras. Não tenho visto em todo o Egito vacas tão magras como estas. As vacas feias e magras comiam as sete vacas gordas; e entravam em suas entranhas, mas não se percebia que houvesse entrado em suas entranhas; fiquei bastante horrorizado e então acordei. Depois vi em meu sonho que dum mesmo pé subiam sete espigas cheias e boas; e eis que sete espigas secas, miúdas e queimadas brotavam sobre elas. E as sete espigas miúdas devoravam as sete espigas boas.

'O sonho do Faraó é um só', disse José. 'O que Deus há, de fazer, notificou-o ao Faraó'. Deveria haver sete anos de grande abundância na terra do que nunca haviam produzido. E este período deveria ser seguido de sete anos de fome.

José então pediu ao Faraó que se produzisse o máximo possível nestes sete anos, que se abastecesse de iodos os alimentos, para que nos sete anos seguintes não imperasse a fome e a miséria no seio do Egito. Assim seria mantido o provimento para os sete anos de fome.

E assim foi feito e os períodos transcorreram conforme havia Jost profetizado. Em todo o reino foi José o único homem dotado de sabedoria para indicar o perigo que ameaçava o país e o preparo necessário para enfrentá-lo.

Era evidente que um poder divino estava com ele, e que ninguém havia tão habilitado para dirigir os negócios da nação em tal momento crítico.
Então o Faraó o fez senhor da sua terra. Foi elevada a governador1 sobre toda a terra do Egito. Viveu cento e dez anos, após sua morte foi embalsamado e levado para a terra de Canaã.

Exemplos como este sempre existiram através dos séculos; Homens que curavam por intermédio dos sonhos tal como Esculápio, que na Grécia antiga era aclamado como o Médico Sagrado. Esculápio foi uma espécie de dedo indicador em busca do lenitivo e da cura do corpo.

Desta maneira, o sonho tem a sua raiz tão firme quanto o poder da fé e a criação do Mundo. A linguagem dos sonhos é sempre fundamental, desde que seja decifrada com sabedoria.

MAHAL BATHAN
Comentários
Informações Adicionais
Livro NOVO.

Formato 18,5 x 13,5 cm

Editora ECO, 17ª Edição

161 páginas