A Doutrina Secreta - Vol. 2

A Doutrina Secreta - Vol. 2

Disponível: Em estoque

Autor: H.P. Blavatsky
R$47,00
Icone Calcular Frete Loading
PrazoValor
Volume 2 - Simbolismo Arcaico Universal
saiba mais
Descrição

Detalhes

A cosmogênese descreve a origem do cosmo, e de tudo que existe nele, a partir do Princípio Uno, e a sua posterior evolução.
Segundo Blavatsky, o Princípio Uno (a Seidade Una ou Absoluto) é idêntico ao conceito de Parabrahman dos vedantinos (assim como esta palavra, muitas expressões no livro aparecem escritas em sânscrito) e ao Ain Soph dos cabalistas. A Seidade Una é, ao mesmo tempo, Existência Absoluta e Não-Existência Absoluta. A única percepção que nossa limitada consciência pode ter do Princípio Uno é entendê-lo como sendo o Espaço Absoluto Abstrato.
Importante observar que, para Blavatsky, este Princípio Uno não é o Deus criador das religiões monoteístas, pois sendo Absoluto e Não-Manifestado não pode criar. De acordo com o livro, o Deus 'criador' é um coletivo de seres intra-cósmicos, emanados do Princípio Uno, que trabalhou sobre a matéria, ordenando-a. Blavatsky chama os seres divinos desta hierarquia de Dhyan-Chohans. Segundo ela, estes seres são chamados no livro do Gênesis e na cabala judaica de Elohim.
Segundo a autora, a existência e evolução do Universo e dos planetas é uma alternância de períodos de atividade e inatividade, que ela chama de 'Dias e Noites de Brahman'.
 
No livro, a cosmogênese é descrita iniciando com a emanação de um Princípio da Seidade Una. Este Princípio, que Blavatsky chama de Brahman, diferencia-se em duas Forças opostas, Masculino-Feminino, Positivo-Negativo, que ela chama de Brahmâ. Esta Potência é a força 'criadora' que, no início de um período de atividade (chamado por Blavatsky de manvantárico), acorda o universo e inicia um novo ciclo.
 
Segundo a cosmogênese apresentada no livro, dois elementos inseparáveis formam o universo: a Ideação Cósmica e a Substância Primordial (chamada por Blavatsky de Mulaprakriti e, segundo ela, referenciada no livro do Gênesis como sendo o 'Caos primordial'). Uma, positiva e ativa, a outra, negativa e passiva. A ideação pré-cósmica é a raiz de toda a consciência individual, e a substância pré-cósmica é o substrato da matéria em seus vários graus de manifestação.
 
Esta cosmogênese é descrita por Blavatsky como uma 'fertilização imaculada' da natureza primordial pelo Espírito Universal. Ela descreve geometricamente isto por meio de um ponto inscrito em um círculo (formando, segundo ela, a década pitagórica, o ponto representando o '1' e o círculo o '0'), e diz que 'O Uno é um círculo não interrompido (anel) e sem circunferência, porque não está em parte alguma e está em toda a parte; o Uno é o plano sem limites do círculo, que manifesta um diâmetro somente durante os períodos manvantáricos; o Uno é o ponto indivisível, que não está situado em parte alguma, e percebido em toda parte durante aqueles períodos.' (A Doutrina Secreta).
 
Uma força importante na formação do universo é Fohat, o 'incessante poder formador e destruidor'. Durante um período de inatividade do universo, no imanifestado antes da formação do cosmos objetivo, Fohat permanece latente e coeterno com Parabrahman e Mulaprakriti. Ele é o aglutinador de ambos, que liga e separa, sendo assim o desejo criador. No período de atividade, de manifestação do universo, Fohat torna-se o raio divino da criação que aplica a Ideação Cósmica no seio da Substância Primordial.
 
Interessante observar que a descrição feita por Blavatsky quanto à formação de estrelas e planetas por Fohat, no final do século XIX, é, por vezes, comparada à moderna teoria de formação das estrelas da astrofísica, confirmada cientificamente apenas no século XX, ainda que se assemelhe profundamente à teoria de Kant-Laplace, que já fora formulada na altura. Numa perspectiva teosófica, contudo, tanto a cosmogênese de Blavatsky quanto as teorias de Laplace, Pitágoras, Amônio Sacas e outras semelhantes, partilham a sua origem na tradição esotérica. Nas Estâncias de Dzyan diz-se que '[Fohat] Ao iniciar a sua obra, separa as Centelhas do Reino Inferior, que se agitam e vibram [tal como a energia de uma proto-estrela] de alegria em suas radiantes moradas, e com elas forma os Germes das Rodas [a proto-estrela e os proto-planetas]. Colocando-as nas seis Direções do Espaço, deixa uma no Centro: a Roda Central [a estrela que nasce].' (Stanza V,3) e 'Ele [Fohat] as constrói [os sistemas planetários] à semelhança das Rodas mais antigas [com material resultante da morte de estrelas mais antigas] ... Ele junta a Poeira de Fogo [poeira cósmica]. Forma Esferas de Fogo [proto-estrelas], corre através delas e em seu derredor, insuflando-lhes vida e, em seguida, as põe em movimento [rotação]: umas nesta direção, outras naquela' (Stanza VI,4). Observe-se que as partes entre colchetes não fazem parte das Estâncias, mas são comentários introduzidos para mostrar a semelhança entre as duas teorias.
Comentários
Sumário
Parte II 
 
Seção I — SIMBOLISMO E IDEOGRAFIA
As Mitologias e as Tradições contêm verdades históricas — Há uma diferença entre Emblema e Símbolo — O primeiro é uma série de Pinturas Gráficas explicadas alegoricamente — A História Esotérica está oculta pelos Símbolos — A Potência Mágica do Som — A linguagem do Mistério chama-se hoje Simbolismo.

Seção II — A LINGUAGEM DO MISTÉRIO E SUAS CHAVES
Os Sábios já usaram uma vez a chave da Antiga Linguagem Universal — Anais Antigos escritos em Linguagem Universal — Os Rituais e Dogmas Egípciosconservam os Ensinamentos Principais da DOUTRINA SECRETA — Os Sábios descobrem o Sistema Geométrico e Numérico das Medidas da Grande Pirâmide
— A Quadratura do Círculo — A Verdade deve prevalecer no final — Moisés e a Arca de Junco copiados de Sargão — Os Números Ocultos são Pedras Angulares das Cosmogonias Esotéricas — A identidade dos Símbolos Antigos
—  A criação de vários Adãos — As Raças Satânicas.

Seção III — A SUBSTÂNCIA PRIMORDIAL E O PENSAMENTO DIVINO 32 
Os Metafísicos ocidentais estão longe da Verdade — O pensamento Divino não pode ser definido, exceto pelas inumeráveis Manifestações da Substância Cósmica — A Ideação Cósmica é inexistente durante» o Pralaya Universal — Todo o Universo é uma Ilusão — Que é a Substância Primordial? — O yEther é o Fogo Universal — A Cosmogênese de Manas — Os Sete Prakritis — Os Deuses do Génese — Do Tríplice Uno emanou todo o Cosmos — O 'Fogo Vivente' — O Éter da Ciência — Todo o Cosmos surgiu do Pensamento Divino
— A Ciência Oculta ainda conserva a chave de todos os Problemas do Mundo.

Seção IV — CHÃOS, THEOS, KOSMOS    49
O Espaço, Recipiente e Corpo do Universo em seus Sete Princípios -- O Caos se converteu na Alma do Mundo — O Primeiro Triângulo — O Nascimento da Mente — O Inefável Nome — Os Quatro Elementos Primários
—  Cosmolatria.

Seção V — SOBRE A DIVINDADE OCULTA, SEUS SÍMBOLOS E SIGNOS 56
Prajâpatis e Patriarcas — O Macroposopo e o Microposopo — As Sete Letras Secretas de que se compõe o Nome de Deus — A Alma Universal era considerada a Mente do Criador Demiurgo — Significado dos Animais e Plantas Sagrados — Símbolos dos Poderes Ativos - - Os Sete e os Dez Construtores — Houve uma Revelação Universal Primordial? — O Cisne como Símbolo do Espírito — Simbologia Antiga.

Seção VI — O OVO DO MUNDO     66
O Ovo é o Símbolo do Universo e seus Corpos Esféricos — O Ovo e a Arca — Dez, o Número Sagrado do Universo — Simbolismo das Divindades Solares e Lunares — Os Quatro Animais Sagrados são os Símbolos dos Quatro Princípios Inferiores do Homem --As Serpentes de Fogo — O Globo Alado — O Ovo dá nascimento aos Quatro Elementos — Todos os Deuses Egípcios eram Duais — A Cosmogonia Escandinava — Os Quatro Rios do Éden estão simbolizados pelo Cubo.

Seção VII — OS DIAS E NOITES DE BRAHMÀ       76
O Presente Kalpa é o Varâha (Boar) — Os Avatares indicam Ciclos Maiores e Menores — Três Pralayas Principais — Uma Chave Cabalística — Qua-torze Manus no Final de um Mahâ-Yuga — A Chegada da Noite Cósmica
—  O Satya-Yuga e a Primeira  das Quatro  Idades,  e Kali  a Última —  A Volta de Moru e Devâpi.

Seção VIII — O LOTUS COMO SÍMBOLO UNIVERSAL    86
O Lotus é o Símbèlb' da Criação e da Geração — A Ideação Divina passa do Abstrato ao Concreto — O Deus Criador é Pensamento tornado Visível
— Antropomorfismo Hebreu — O Significado Esotérico do Pecado e da Queda, no Génese — O Significado Sagrado da Letra 'M'.

Seção IX — A LUA: DEUS LUNUS, PHCEBE     94
Personificação da Lua — Deuses Solares e Lunares, Raças e Dinastias — A Chave Fisiológica do Símbolo da Lua — O Número Dual, Masculino e  Feminino — Uma Alegoria do Zohar — A Complexidade do Símbolo Lunar: sua Chave Fisiológica — O Aspecto Dual da Lua — Ritos do Culto Lunar, baseados no Conhecimento da Fisiologia — O Sol e a Lua, como Divindades Masculinas-Femininas, frutificam a Terra — A Virgem-Mãe Imaculada e Deusas Pagãs — O Culto da Lua é tão antigo quanto o Mundo — A Lua, Símbolo aceito de todas as Deusas Virgens-Mães.

Seção X — O CULTO DA ARVORE, DA SERPENTE E DO CROCODILO     111
O Fruto da Arvore do Conhecimento — Serpentes e Dragões eram Nomes que os Adeptos Iniciados dos Tempos Antigos davam aos Sábios — A Serpente, Símbolo da Iniciação — Os Ocultistas conhecem os Significados Primitivos da Árvore da Vida e da Cruz — A Arvore  da Vida tem suas Raízes no Céu
—  As Serpentes e Dragões de Sete Cabeças da Antiguidade simbolizam os Sete Princípios da Natureza e do Homem — O Crocodilo é o Dragão Egípcio
—  O Significado dos Sete Fogos, das Sete Vogais, etc., representados pelas Sete Cabeças da Serpente da Eternidade.

Seção XI — DEMON EST DEUS INVERSUS      119
O Bem e o Mal: podem existir dois Absolutos Eternos? — Como 'Satã' foi antropomorfizado — Não há Vida sem Morte — O Bem e o Mal são as Duas Faces de Uma Só e Mesma Coisa — O Mal denota a Polaridade da Matéria e do Espírito — A 'Queda' é o desejo de Conhecer — O Significado da Rebelião e Queda dos Anjos — Adeptos da Mão Direita e da Mão Esquerda — A Guerra dos Deuses — Dois Aspectos de Vishnu — As Forças Criadoras são Entidades Viventes e Conscientes — A Pirâmide Negra e a Pirâmide Branca.

Seção XII — A TEOGONIA DOS DEUSES CRIADORES      132
A'Hierarquia das Forças -- O Artífice do Universo não é o Deus mais Elevado — O Ponto é a Unidade que dá início ao Sistema Inteiro — As Criações na Cosmogonia Hindu — O Logos é o Verbum — Sinónimos do Logos - Poderes Femininos da Natureza — O Mistério do Som — A Luz, o Som e o Número são os três Fatores da Criação — A Doutrina Pitagórica dos Números — A Mãe dos Deuses — A Antiguidade das Pirâmides :— Anjos, Arcanjos, Principados, Virtudes, Dominações, Tronos, Querubins e Serafins — Os Deuses Cósmicos — Graus de Manifestação — O Nome Impronunciável
—  A Cosmogonia de Confúcio — Os Sete e os Quatorze Ciclos de Existência
—  Os Símbolos do Mistério das Trevas — O Eu Supremo é o Único que é Divino e é Deus.

Seção XIII — AS SETE CRIAÇÕES       153
As Sete Criações Purânas — A Ogdóada — O Primeiro Homem 'Pensador' e os Sons de Uma, Três e Sete Vogais — As Criações Primárias e Secundárias
—  Mahat é a Mente Divina em Operação Ativa — Muitas Versões da Verdade Única — Os Dhyân-Chohans são o Agregado Coletivo da Mente Primordial
—  As Sete Criações (1) Mahat-tattva, a Evolução Primordial em si;  (2) Princípios Rudimentares ou Tanmâtras; (3) Ahamkâra ou o Conceito do 'EU'; (4) as Séries de Quatro Reinos Rudimentares ou Elementais, Bases dos Sentidos; (5) Criação dos Animais Mudos;  (6) Protótipos da Primeira Raça (humana); (7) o Homem — Quem são os Kumâras — Os Ascetas Virgens que se negaram a criar o Homem Material — A Importância do Número Sete.

Seção XIV — OS QUATRO ELEMENTOS     169
Os Elementos são a Vestimenta Visível dos Deuses Cósmicos — Elementos Corpóreos e Espirituais das Forças da Natureza — Os Atlantes compreendiam o Fenómeno dos Quatro Elementos — São Paulo acreditava nos Deuses Cósmicos — Jeová, Deus dos Elementos — Astartéia e a Virgem Maria — Cada Elemento é Dual em sua Natureza — As Forças Físicas dos Elementos.

Seção XV — SOBRE KWAN-SHI-YIN E KWAN-YIN           179
O Alfa e o Omega da Natureza Manifestada — Os Mantras originam um Efeito Mágico — Kwan-shi-yin é uma Forma do Sétimo Princípio Universal ou, misticamente, o Logos — Kwan-yin é o Princípio Feminino da Natureza.

Parte III APÊNDICE
SOBRE A CIÊNCIA OCULTA E MODERNA

Seção I — RAZOES PARA ESTE APÊNDICE          187
Não pode haver conflito entre a Ciência Oculta e a Ciência Exata quando as conclusões da última se baseiam no Fato Irrecusável — As Forças são Inteligentes e são Devas e Génios — O Sol é Matéria e o Sol é Espírito — O Sol é o Dispensador de Vida do Mundo Físico: o Sol Espiritual Oculto é o dispen-sador de Vida e Luz nos reinos Espirituais e Psíquicos.
 
Seção II — Os FÍSICOS MODERNOS ESTÃO JOGANDO A 'CABRA-CEGA'   192
A Ciência terá que aprender o que na realidade são a Matéria, o Átomo, o Éter e a Força — É a Luz um Corpo ou não? — Hipóteses contraditórias
—   Conceitos sobre  a Constituição  do Éter — Os  Ocultistas  dizem  que  o Autor da Natureza é a própria Natureza.

Seção III — É A GRAVITAÇÃO UMA LEI?        200
Conceitos científicos sobre a Gravidade — Opiniões de Pitágoras e Platão sobre os Regentes Planetários — Fohat, a Inteligência Animadora é o Fluido Universal Elétrico e Vital — As Forças da Natureza são Individualidades Inteligentes — Teoria de Newton sobre o Vácuo Universal — Movimento Perpétuo
—  Magnetismo Cósmico — Ideias  de Kepler sobre Forças  Cósmicas — A Causa da Rotação.

Seção IV — AS TEORIAS CIENTÍFICAS DA ROTAÇÃO       211
Hipótese quanto à Origem da Rotação, dos Planetas e dos Cometas — Paradoxo da Ciência — As Forças são Realidades.

Seção V — AS MÁSCARAS DA CIÊNCIA — Física ou Metafísica?          219
Doutrina e Princípio Ocultos em Spiller — Definições científicas da Força — Força e Substância no Ocultismo — Que é a Força? — Os Ocultistas dizem que a Causa da Luz, do Calor, do Som, da Coesão, do Magnetismo, etc., é uma Substância — Os Sete Raios Místicos do Sol — Causas e seus Efeitos — Que é um Aíorho? — Os Quarenta e Nove Fogos Originais personificados: sua relação com as Faculdades Psíquicas Humanas e as Potências Químicas e Físicas — O 'Princípio Indiviso' do Sistema Filosófico Vishishtâdvaita.

Seção VI — ATAQUE DE UM HOMEM DE CIÊNCIA À TEORIA CIENTÍFICA DA FORÇA     236
Vários homens de ciência ingleses chegam quase a ensinar Doutrinas Ocultas
—  O Espírito e a Alma do Cosmos. 

Seção VII — VIDA, FORÇA OU GRAVIDADE              241
A Atração por si só não é suficiente para explicar o Movimento Planetário
—  Os fluidos ou Emanações do Sol imprimem todo o movimento e despertam toda a Vida no Sistema Solar — O Sol é o Depósito de Força Vital — Pan-teísnSo ou Monoteísmo?  — Os Sete Sentidos Físicos — A Árvore da Vida
—  Que é o 'Éter Nervoso'? — Uma verdadeira Escala Setenária.

Seção VIII — A TEORIA SOLAR               253
Breve análise dos elementos compostos e simples da ciência em oposição às doutrinas ocultas. Até que ponto é científica esta teoria, tal como aceita geralmente. O Sol é o Coração do Sistema Solar — Os Elementos que ora conhecemos não são os Elementos Primordiais — A Química se aproxima, mais que outras ciências, do Reino do Oculto na Natureza — As descobertas do Professor Crookes justificam os Ensinamentos Ocultos — Termos Químicos e a Génese dos Deuses — O Poder que dirige o Átomo — O Significado do Caduceu de Mercúrio — O Estado Lava e o Ponto Zero — O Ocultismo afirma que a Matéria é Eterna, somente se tornando atómica periodicamente
-  As 'Atomicidades' dominantes — As Mentes Inteligentes e Regentes de Mônadas e Átomos.

Seção IX — A FORÇA FUTURA        266
Suas possibilidades e impossibilidades.  Causa e Efeitos da Eletricidade Cósmica
— O Som é um Poder Oculto — Keely, um Ocultista Inconsciente — O Significado Oculto de um Centro Laya — A Humanidade está relacionada psiquicamente com os Grupos de Dhyân-Chohans — Por que não pôde Keely levar suas Descobertas ao seu desfecho  lógico — Não  se permitirá que a  Força Elétrica sirva para fins mercantis -    'Vril' é uma Força Real — As descobertas prematuras de Keely.

Seção X — SOBRE OS ELEMENTOS E OS ÁTOMOS         278
Quando empregado em sentido metafísico, o termo Elemento significa o Homem Divino Incipiente — Átomos-Almas são Diferenciações do Uno — A Alegoria da 'Terra Prometida' - A Mônada, segundo os Ensinamentos dos Antigos Iniciados — O Peregrino Eterno — Buddhas dos Três Mundos — Dhyâni--Buddhas e os Sete Filhos da Luz — Personalidade e Individualidade — Mônadas Angélicas, Mônadas Humanas e Estrelas-Pais — O lugar de Urano e Netuno — A Origem Planetária da Mônada foi ensinada pelos Gnósticos
—  A Queda Cíclica dos Deuses — A Natureza de Jeová.

Seção XI — O PENSAMENTO ANTIGO COM VESTUÁRIO MODERNO          290
A Química e a Ciência Oculta — Rogério Bacon tinha a Chave da verdadeira significação da Magia e da Alquimia — O Átomo é inseparável do Espírito — A Trindade em Unidade — A Génese dos Elementos — Purânas versus Sociedade Real.

Seção XII — EVIDENCIA CIENTIFICA E ESOTÉRICA DA TEORIA NEBÚLAR MODERNA, E OBJEÇÕES À MESMA     299
A Teoria Nebular é errónea — O Sol e os Planetas são Irmãos Co-Uterinos
-  O Dever do Ocultista se refere à Alma e Espírito do  Espaço  Cósmico •— A necessidade  de estudar todo o  Sistema Cosmogênico Esotérico —  As Forças  são  Aspectos  da Vida  Una Universal — A opinião de um Mestre sobre Teorias Científicas — Que é a Nebulosa?   A Teoria Nebular e a DOUTRINA SECRETA — O nosso Universo visível é o Sthúla Sharira do Sétuplo Cosmos — Que é a Matéria Primitiva? — A Seleção Natural e a Doutrina Oriental da Evolução.

Seção XIII — AS FORÇAS: MODOS DE MOVIMENTO OU INTELIGÊNCIA?   312 
Os Efeitos da Matéria Primitiva sentidos através de Inteligências denominadas Dhyân-Chohans — Estas Inteligências devem ser admitidas pela Ciência — A Mente Universal é a Luz Divina (Fohat)  que emana do Logos — Os Fenómenos Terrestres são Aspectos da Natureza Dual dos Dhyân-Chohans Cósmicos
—  A Lei de Analogia é a Primeira Chave para o Problema do Mundo — Diferentes classes de Humanidades — Distintos Sentidos  em outros Mundos — Tudo tem seu período de Vida:  a Terra, a Humanidade, o  Sol, a  Lua, os Planetas, as Raças,  etc.

Seção XIV — DEUSES, MÔNADAS E ÁTOMOS         322
O Cosmos está cheio de Existências Invisíveis e Inteligentes -- Só os mais elevados Iniciados e Adeptos são capazes de apreender o Pleno Conhecimento dos Mistérios da Natureza — Aquele que dominar os Mistérios de nossa própria Terra dominará todos os demais — O Ponto Matemático — O Universo Absolutamente Ideal e o Cosmos Invisível porém Manifestado — A Mônada é o Ápice do Triângulo Equilátero Manifestado, o 'Pai' — O Espaço é o Mundo Real — Os Dez Pontos Pitagóricos — O Triângulo Ideal — A Mônada e a Díada — Almas Atómicas e sua Peregrinação Individual — A Descida e a Ascensão da Mônada Individualizada — A Química do Futuro — A Ciência Esotérica abrange todo o Plano de Evolução, desde o Espírito à Matéria — O Número do Oxigénio, Hidrogénio e Nitrogénio — As Teorias de Leibnitz —-Natureza da Mônada — Os 'Deuses' são as Radiações da Natureza Primordial
—  Os Átomos são o Movimento que mantêm em perpétua marcha as Rodas da Vida.

Seção XV —   EVOLUÇÃO CÍCLICA E CARMA       346
Carma é a Lei Una quê governa o Mundo do Ser — Os Ocultistas têm igual respeito à Vida Animal Externa do Homem e à sua Natureza Espiritual Interna
—   A influência Esotérica  dos Ciclos  Cármicos  sobre  a  Ética  Universal — Ninguém pode escapar ao seu Destino Dominante — Carma, a Lei de Compensação — As Grandes Mudanças Geológicas não são mais que instrumentos que atuam periodicamente  para  alcançar  certos  fins —  Os  Grandes  Ciclos e os Ciclos Menores — Carma-Nêmesis — Profecias Antigas e Modernas — A Astrologia, uma Ciência.

Seção XVI — O ZODÍACO E SUA ANTIGUIDADE        360
O Zodíaco na Bíblia — A Antiguidade do Zodíaco — Messias Avatares e os Signos do Zodíaco — Deuses Caldeu-Judeus e Ciclos — A Antiguidade do Zodíaco dos Hindus — Conclusão Científica — O princípio do Kali Yuga — Os Métodos Astronómicos Hindus e sua verificação.

Seção XVII — RESUMO DA SITUAÇÃO      379
Que é Éter,. Matéria, Energia? — Quão pouco se conhece do Universo Material
—  Os Ensirtamentos Esotéricos eram idênticos no Egito e na índia — Além das fronteiras do Sistema Solar há outros Sóis e o Misterioso Sol Central — Fohat é, no Ocultismo, a Chave que abre e decifra os Símbolos e Alegorias de todas as Mitologias — Fohat sob muitos Nomes — A Lenda e a História.

Notas Adicionais    389

Bibliografia    391
Informações Adicionais
Livro NOVO.

Formato 23 x 16 cm

Editora Pensamento, 14ª Edição, 2008

395 páginas