O Deus da Resistência Negra - O Vodu Haitiano

O Deus da Resistência Negra - O Vodu Haitiano

Disponível: Sem estoque

Autor: Laennec Hurbon
Descrição

Detalhes

Este livro, com todo aparato científico, é também um canto de revolta e de esperança, no melhor estilo dos profetas. É corajoso, instigante, polémico.

Percebendo o conteúdo revolucionário da religião popular, o Autor, negro, interessa-se pelo 'vodu', dedica-se ao seu estudo e concentra aí uma das páginas mais tristes do cristianismo na América Latina: a violência contra a cultura negra, ao tentar extirpar-lhe as crenças e impor aos dominados a religião dos dominantes. Com isso desintegrou a coesão do povo, destruiu seus valores, desprezou sua cultura a tal ponto que, num determinado momento da história, os negros não eram mais negros, mas também não eram mais brancos.

A Igreja confundiu sua particularidade com universalidade; fez-se porta-voz de determinada cultura, no caso, a cultura ocidental; tentou impor aos negros o Deus dos brancos e até uma 'alma' branca. Em vez de libertar, alienou.

Felizmente, há sempre alternativa para a fé que perdemos. Se não mais se acredita num Deus particular imposto pela cultura dominante — e aí se insere a teologia da morte de Deus — é porque se prefere acreditar num Deus que, afinal, se revelará a todos os homens no encontro e no diálogo entre todas as culturas.

A publicação deste livro no Brasil, no ano dedicado pela CNBB à causa dos negros, é significativa por ser, afinal, o reconhecimento de que a fé supõe contestação e compromisso com a verdade. E é graças a esse reconhecimento que todo pessimismo dialeticamente se faz esperança.
Comentários
Sumário
7   Ao leitor brasileiro
10   Prefácio

13   Apresentação

15   Introdução: Incidências culturas e política de uma aproximação teológica do vodu.
18           I. Incidências cultural e política do cristianismo
29           II. Ç),horizonte teológico da missão da Igreja
36          III. Aiiteratura haitiana: protesto contra o catolicismo
42   l — Metodologia
45          A) Fenomenologia
48          B) Estruturalismo
50          C) Hermenêutica

PRIMEIRA PARTE
APROXIMAÇÃO FENOMENOLÓGICA
65   2 — O vodu em seu contexto histórico, económico e social
65          A) O vodu no contexto histórico
72          B) O vodu no contexto económico e social
78    3 — O vodu como culto pessoal, familiar e coletivo
79          A) O vodu como culto pessoal
79          B) O vodu como culto familiar e coletivo
85          C) Significação do vodu como culto familiar e coletivo
89   4 — Será o vodu um culto sincrético?
89          A) Manifestações do sincretismo
95          B) Uma interpretação culturalista-psicológica: Herskovits
96          C) Uma interpretação sociológica: Roger Bastide
97          D) Situação do sincretismo
102   5 — Deus cristão ou um Deus específico do vodu?

SEGUNDA PARTE
APROXIMAÇÃO ESTRUTURAL
107   6 — Dialética da vida e da morte no símbolo da árvore
108         1. A árvore do vodu
110         2. A árvore, a doença e o poder de simbolização
111         3. A árvore e a linguagem da vida e da morte
114   7 — O universo dos espíritos como linguagem articulada
114         I. possessão no quadro cultural do vodu
121         II. Os princípios da explicação do mal

TERCEIRA PARTE
APROXIMAÇÃO HERMENÊUTICA 143   
143   8 — Deus fora do sistema
157   9 — Deus e as interpretações do mal 
159         1. Em torno da génese dos loas
167         2. Em torno da feitiçaria
171         3. Em torno de um confronto da concepção do mal no vodu com a narrativa adâmica na tradição cristã.
181    10 — Deus no horizonte do encontro das culturas
182         A) O sincretismo como questionamento da universalidade do cristianismo
186         B) O movimento da Revelação: uma dialética da particularidade e da universalidade.

212   Em direção do fim da supremacia ocidental 215   

217   Pequeno dicionário do vodu 217   

215   Bibliografia
Informações Adicionais
Livro NOVO. Texto, gravuras e fotografias íntegros. 

Formato 21 x 14 cm

Editoções Paulinas, 1987

225  páginas